intercambio-principais-medos-como-superar

Intercâmbio: eu já tive os medos que você tem agora

Antes de toda transformação verdadeira, existe um abismo que separa você da sua meta.
O frio na barriga – ou na espinha mesmo – aparece sempre que você está prestes a fazer algo único e de real valor na sua vida.

É assim antes de morar sozinho. Antes de abrir uma empresa. Antes de dizer “eu te amo” para alguém pela primeira vez.

É assim também antes de um intercâmbio.

Aliás, não poderia ser de outro jeito. Transformações exigem coragem. E poucas coisas na vida são tão transformadoras quanto fazer as malas e encarar o desconhecido.

fazer-malas-intercambio-rumo-desconhecido

Por tudo isso, é normal sentir medo. Por vezes, pode até ser um sinal de que você está no caminho certo. Eu mesmo já tive os medos que você provavelmente tem hoje. E mesmo sem experiência na época, superei cada um deles sem grandes dificuldades, apesar dos perrengues.

Quer entender melhor? Então dá uma olhada nesta lista que preparei.

 

Medo #1: Ficar sem dinheiro

intercambio-medo-ficar-sem-dinheiro

Esse é um medo terrível e MEGA comum que paralisa intercambistas muito antes de começarem a planejar a viagem.

Tem gente que gasta mais tempo pensando em como (e para quem) vai pedir dinheiro emprestado quando tudo der errado do que procurando emprego, por exemplo.

O lance aqui, se você não tem grana sobrando, é manter o foco. Eu tinha esse medo bem presente. O que eu fiz? Imprimi dezenas de currículos e saí distribuindo pelos restaurantes, hotéis, pubs e diversas empresas de Sydney.

Resultado? Na segunda semana, já estava trabalhando. Problema resolvido, medo assassinado!

É claro que algumas pessoas terão mais sorte, outras menos. Porém, esse problema é mais simples de resolver do que parece. A sua capacidade de ganhar dinheiro depende basicamente de duas coisas: informação e dedicação.

  •  Primeiro, pesquise os tipos de trabalho que você pode fazer. Descubra onde procurar emprego, como preparar um bom currículo, como ter uma renda extra vendendo algo que você produz. Aqui neste link temos algumas dicas preciosas que podem te ajudar.
  • Segundo, dedique-se de alma e coração ao seu objetivo. Se você decidiu procurar trabalho em lojas de roupa, visite o MÁXIMO possível de lojas. Converse com outros vendedores. Pergunte como eles conseguiram seus trabalhos. Pegue dicas. Entregue seu currículo, mas não apenas isso. Demonstre vontade e coragem. Sua atitude e postura vão falar muito sobre você.

 

Medo #2: Perder contato com amigos do brasil (OU Não fazer novos amigos no intercâmbio)

intercambio-principais-medos-como-superar

Eu já tive a ilusão que passar um tempo fora ia me fazer perder contato com meus amigos de infância e adolescência que conviveram comigo a vida toda.

Não podia existir besteira maior pra se pensar. Quando voltei ao Brasil, absolutamente nada havia mudado. Atualmente, os grupos de whatsapp e as conversas no face mantêm o papo em dia. Sem complicação.

No fundo, você já sabe: amizades verdadeiras nunca mudam, não importa quanto tempo passe. Tenho certeza que você já encontrou um grande amigo depois de muito tempo e pensou: “Cara, as coisas continuam exatamente iguais!”.

Já quando o assunto é encontrar parcerias durante a viagem, fique tranquilo: seus novos amigos terão diferentes nacionalidades, idiomas e costumes. Não quer dizer que você vai arrumar um melhor amigo logo de cara, mas existirão zilhões oportunidades de conhecer gente legal. Seja na escola, na sua share house ou hostel, no trabalho ou na vida noturna.

 

Medo #3: Parar de evoluir profissionalmente

intercambio-medo-parar-evoluir-profissionalmente

Esse é provavelmente o medo mais idiota que eu já tive. Mas hoje entendo que foi normal ter essa dúvida na época.

Eu, muito ingenuamente, pensava que não aprenderia nada “profissionalmente útil” enquanto viajasse e fizesse bicos para sustentar minhas viagens. Tolinho =P

Trabalhando em restaurantes, com o alto rodízio de profissionais, pude rapidamente chegar a uma posição em que eu gerenciava a equipe de garçons e bar em um turno de trabalho. Isso foi um verdadeiro curso de gestão. Ter que dar ordens e delegar tarefas, lidar com reclamações de clientes pessoalmente, controlar estoque, contatar fornecedores… sem falar nos pepinos totalmente inesperados que surgem em qualquer negócio. Desde a maquininha de cartão de crédito que resolve não funcionar até contas que foram cobradas de forma errada.

Experiências como essas podem ser emuladas, ou seja, adaptadas pra qualquer tipo de negócio. Seja como empreendedor ou como empregado.

 

Medo #4: Descobrir que a vida no exterior é melhor (OU Não ser mais feliz no Brasil depois de voltar)

intercambio-medo-infeliz-volta-brasil

Olha, sinceramente, é possível que você não queira voltar a morar no Brasil. Mas se isso acontecer é sinal de que tudo deu incrivelmente certo. Então, relaxa e vai conhecer o mundo.

Porque, independente disso, a felicidade vem de dentro. Você não pode culpar o país em que vive quando estiver infeliz.

Muito do fato de ser feliz em um outro continente tem a ver com a mudança de perspectiva. Quando vive em um lugar novo, você aguça seus sentidos e tende a aproveitar cada instante. Posso apostar que muitos americanos, ingleses ou australianos seriam extremamente felizes passando um ano no Brasil.

Tudo que nos rodeia nos influencia, de alguma forma. Mas, na maioria das vezes, o que acontece ao redor só vai amplificar o que você já sente dentro de você. Ou você nunca reparou que, quando está de mau humor, qualquer probleminha te tira do sério?

 

Medo #5: Não conseguir se comunicar no idioma local

falar idioma estrangeiro ingles

Muita gente me dizia que, quando chegasse no exterior, eu ia perceber que meu cursinho de inglês no Brasil não serviu pra nada.

Bullshit.

Há uma grande diferença entre quem já estudou o idioma e quem não estudou. Por isso, antes de mais nada, você deve se preparar ao máximo. Mas isso não é tudo.

Existe um outro detalhe que faz uma diferença absurda.

Há estrangeiros que não sabem nada de gramática, mas conseguem se comunicar muito bem. Isso acontece por um simples motivo: quando você é forçado a falar constantemente, sua confiança no idioma vai lá no alto. Mesmo que cometa erros, você faz os outros te entenderem.

Eu realmente acredito que confiança é 50% na hora de falar uma língua. Por isso, quando chegar em outro país, não tenha medo de errar. Se preciso, desculpe-se com bom humor por não falar muito bem o idioma local. Quando não entender alguém, peça para a pessoa repetir. Praticamente ninguém vai se importar com isso, confie em mim.

E mais uma vez: estude bastante antes de embarcar. Você vai chegar bem mais confiante. Se preferir, aproveite nosso post com 5 dicas de sites gratuitos para aprender idiomas. Escolha o que te parecer mais divertido e comece hoje mesmo. Vai levar só alguns minutos.

 

Pra finalizar, deixo aqui abaixo o Manifesto dos Intercambistas. Este vídeo vai te dar uma dose extra de coragem!

Todas as imagens: Flickr (CC0)

Intercambista, produtor de conteúdo e viajante compulsivo. Faz planos para o futuro diariamente e muda de ideia com a mesma frequência. Depois de morar fora, percebeu que ser tímido não é barreira para nada.